fbpx


O QUE É?


O Conceito

A Inteligência Emocional emergiu no início da década de 90 através dos psicólogos Peter Salovey e John Mayer, que definiram a Inteligência Emocional como “a capacidade de monitorizar os próprios sentimentos e emoções e das outras pessoas, discriminar entre eles e utilizar essa informação para guiar o pensamento e as ações” (Salovey & Mayer, 1990).

As Três Correntes Mundiais

Existem alguns conceitos que diferem ligeiramente no que consta às categorias da Inteligência Emocional. Existem três grandes modelos mundiais deste tema e cada modelo defende o conceito à sua medida:

  1. Modelo de Habilidades: neste modelo, as emoções são vistas como fontes de informações úteis que nos ajudam a dar sentido ao meio social. O modelo propõe que os individuos variam na sua habilidade de processar informação de natureza emocional e na sua capacidade de percecionar, aceder e gerar emoções. Uma das correntes ligadas a este modelo é a MSCEIT do Dr. Peter Salovey e John Mayer, percursores do conceito de Inteligência Emocional.
  2. Modelo de Traço: neste modelo, a Inteligência Emocional é vista como um conjunto de traços de personalidade e de disposições comportamentais e é medida através de questionários de autorrelato. Uma das correntes ligadas a este modelo é a EQ-i do Dr. Reuven Bar-On.
  3. Modelo Misto: neste modelo, a Inteligência Emocional é vista como um conjunto vasto de competências e capacidades que nos levam a ter um melhor desempenho. Tratam-se de competências emocionais, que não são inatas, mas sim capacidades que podem ser desenvolvidas. Uma das correntes ligadas a este modelo é a ESCI do Dr. Daniel Goleman, o psicólogo que deu a conhecer o conceito de Inteligência Emocional ao público em geral, através do seu livro “Emotional Intelligence”.

Porquê este Conceito?

Um dos principais motivos do “nascimento” da inteligência emocional era perceber porque é que algumas pessoas conseguiam ser tão inteligentes em alguns campos, nomeadamente na sua inteligência académica e tão fracas noutros campos, nomeadamente na inteligência social e emocional. Esta diferença, concluíram os especialistas, é que não existe uma única inteligência. Podemos ser muito inteligentes academicamente, com um QI elevado, mas termos um QE baixo. Termos um QI elevado não significa que iremos ter um QE elevado. Uma inteligência não está correlacionada com a outra. O que acontece muitas vezes é que as pessoas com um QI muito elevado podem descurar trabalhar o seu QE pois atingem objetivos no início da sua vida com facilidade, nomeadamente na parte académica e não encontram necessidade em trabalhar a sua parte pessoal e emocional, as suas competências emocionais. Muitas vezes é apenas na fase adulta que depois esta descompensação começa a aparecer. O stress do trabalho, a vida pessoal, a vida familiar e os eventos negativos que vão surgindo ao longo da nossa vida requerem um domínio social e emocional que se não treinarmos, se não trabalharmos, irá gerar resultados desastrosos.

Queres saber mais sobre Inteligência Emocional?

Subscreve a nossa newsletters e recebe artigos, vídeos e conteúdo de última geração de forma gratuita!

Li a politica de privacidade e quero subscrever a newsletter

Queres saber mais sobre Inteligência Emocional?

Subscreve a nossa newsletters e recebe artigos, vídeos e conteúdo de última geração de forma gratuita!

Li a politica de privacidade e quero subscrever a newsletter