fbpx

Foco Quente vs Foco Frio

Foco Quente vs Foco Frio

Existe uma experiência muito conhecida com o nome “O Teste do Marshmallow”, realizada por Walter Mischel.


Nessa experiência, crianças de idade pré-escolar sentavam-se numa sala sem saberem que estavam a ser filmadas. Um investigador colocava um marshmallow à sua frente e dizia que se tinha de ausentar um pouco e que se a criança comesse o marshmallow, não comia mais nenhum. No entanto, se não comesse o marshmallow, receberia 2 marshmallows no total.


Este investigador queria testar a capacidade de resistência ao impulso das crianças, pois uma criança numa sala sem ninguém e com algo tão apetitoso e irresistível como um marshmallow, requer uma força de vontade enorme e uma resistência ao impulso gigante para conseguir aguentar.


Este estudo foi replicado várias vezes e foram testados vários formatos para tentar ver quando é que as crianças conseguiam resistir mais.


Numa dessas experiências, um investigador pediu às crianças para pensarem em características “quentes” do marshmallow como o sabor doce e a outras crianças para pensarem em características “frias”, como o seu formato.


Quando as crianças pensaram em características “frias”, aguentaram cerca de 2x mais do que as crianças que pensaram em características “quentes”.


Isto mostra-nos que não é só um estimulo que nos faz cair mais ou menos em tentação, mas sim o foco que damos às características do estímulo.


O psicólogo cognitivo canadiano Daniel Berlyne, distinguiu entre dois aspetos de qualquer estímulo.

Primeiro, um aspeto ligado à tentação, um estímulo de apetite que tem uma qualidade consumível, excitável e motivacional: faz-te querer comer o marshmallow e quando comes é prazeroso.


O segundo, dá-nos informação sobre traços não emocionais e cognitivos: é redondo, branco, mole.


O efeito que o estímulo tem em nós depende de como o representamos mentalmente.


Quando temos um foco quente, ou seja, quando nos focamos nas características que nos dão mais prazer, automaticamente dispara a reação impulsiva.
Por outro lado, uma representação mais fria, faz-nos focar em aspetos mais abstratos, cognitivos e informativos, sem tornar o estímulo mais tentador.


Estes dois focos estão representados em dois sistemas diferentes no nosso cérebro.


O sistema emocional quente


O sistema emocional quente está representado no sistema límbico, que consiste em estruturas primitivas do cérebro localizadas por baixo do córtex e em cima do tronco cerebral, que foi desenvolvido cedo na evolução. Estas estruturas regulam desejos básicos e emoções essenciais para a sobrevivência, desde medo a raiva, até a fome e sexo.


Este é um sistema reflexivo, simples, emocional, automático e rapidamente dispara o comportamento consumista, impulsivo. Um foco quente na tentação, rapidamente dispara esta resposta.

O stress elevado também ativa este sistema quente. Por isso é que resistimos menos às tentações quando estamos em stress.


O sistema cognitivo frio

Ligado ao sistema quente do cérebro, está o sistema frio, que é cognitivo, complexo, reflexivo e mais lento a ativar. Está centrado principalmente no córtex pré-frontal. Este sistema é crucial para decisões futuras e esforços de autocontrolo. O sistema frio e o sistema quente interagem continuamente e quando um fica mais ativo, o outro torna-se menos ativo.


O córtex pré-frontal é a região mais evoluída do cérebro. Regula os nossos pensamentos, ações e emoções, é o centro da criatividade e imaginação. Permite-nos redirecionar a nossa atenção e mudar estratégias de forma flexível. O autocontrolo está enraizado também no córtex pré-frontal.


Este sistema quente e sistema frio reflete-se em todas as nossas decisões, não só quando tentamos resistir a um doce.


Samuel McClure e os seus colegas fizeram um estudo analisando como as pessoas tomavam decisões.

Utilizaram uma máquina de ressonância magnética funcional (fMRI) para estudar o que acontecia no cérebro quando as pessoas escolhiam entre conseguir recompensas no momento presente ou no futuro.


Foram dados aos participantes escolhas monetárias entre o presente e mais tarde no tempo (receber $10 hoje ou $11 amanhã) ou escolhas de recompensas todas no futuro ($10 num ano ou $11 num ano e um dia).

Os investigadores analisaram os sistemas quentes e frios de cada participante. Enquanto os participantes faziam as suas decisões, os investigadores descobriram que o grau que cada região neuronal ficava acesa, conseguia prever se o indivíduo escolhia uma recompensa imediata ou uma recompensa maior adiada.


A atividade neuronal ocorria na região quente quando os participantes escolhiam entre duas recompensas a curto prazo (um valor agora vs um valor ligeiramente maior amanhã) e nas regiões frias quanto escolhiam entre recompensas futuras.


McClure e os seus colegas confirmaram que existe de facto duas regiões neuronais – uma quente e uma fria – que avalia recompensas imediatas vs adiadas separadamente.


Então, cada vez que tomarmos uma decisão, temos que ponderar qual é o nosso objetivo com essa decisão.


Se for entrar em ação para fazer ou adquirir algo, devemos ter um foco mais quente, pensando mais nas características imediatas ou prazerosas do estímulo.


Por outro lado, se o objetivo for resistir ao impulso ou adiar algo, devemos ter um foco mais frio, pensando mais nas características futuras ou nas características informativas e abstratas do estímulo.

Share

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Queres saber mais sobre Inteligência Emocional?

Subscreve a nossa newsletters e recebe artigos, vídeos e conteúdo de última geração de forma gratuita!

Li a politica de privacidade e quero subscrever a newsletter

Queres saber mais sobre Inteligência Emocional?

Subscreve a nossa newsletters e recebe artigos, vídeos e conteúdo de última geração de forma gratuita!

Li a politica de privacidade e quero subscrever a newsletter